facisc

Logo Acibr

icon_fone  47 3351-1339

icon_f  fb.com/acibr

Agenda

11
sexta
Evento
Dia D - EcoPonto
09:00
11 de Novembro
14
segunda
Reunião
Reunião Diretoria Executiva
17:30
14 de Novembro
16
quarta
Reunião
Núcleo de Mulheres Empresárias
18:30
16 de Novembro
16
quarta
Reunião
Reunião Núcleo das Construtoras
19:00
16 de Novembro
17
quinta
Reunião
Reunião Núcleo Empresas Contábeis - Setor RH
08:00
17 de Novembro
17
quinta
Reunião
Reunião Núcleo Empresarial de Guabiruba
16:00
17 de Novembro
17
quinta
Reunião
Reunião Núcleo TI
19:00
17 de Novembro
18
sexta
Reunião
Reunião Núcleo Escolas de Idiomas
10:00
18 de Novembro
21
segunda
Reunião
Reunião Núcleo de Corretores e Imobiliárias
08:15
21 de Novembro
21
segunda
Reunião
Reunião Núcleo Gastronomia
09:00
21 de Novembro
21
segunda
Reunião
Reunião Itinerante Diretoria Botuverá
17:30
21 de Novembro
21
segunda
Reunião
Reunião Núcleo Fabricantes de Toalhas
19:30
21 de Novembro
22
terça
Reunião
Reunião Núcleo de Instituições Educacionais
14:00
22 de Novembro
22
terça
Reunião
Reunião Núcleo Jovem
18:30
22 de Novembro
24
quinta
Reunião
Reunião Núcleo Empresas Contábeis - Setor Fiscal
08:00
24 de Novembro
24
quinta
Reunião
Reunião Núcleo de Gestão Ambiental
16:00
24 de Novembro
24
quinta
Reunião
Reunião Núcleo Moveleiros
19:00
24 de Novembro
28
segunda
Reunião
Reunião Núcleo de Corretores e Imobiliárias
08:15
28 de Novembro
28
segunda
Reunião
Reunião Diretoria Executiva
17:30
28 de Novembro
29
terça
Reunião
Reunião Núcleo de Mulheres Empresárias
18:30
29 de Novembro
30
quarta
Evento
Ultimo Atendimento 2016 BRDE
08:30
30 de Novembro
30
quarta
Reunião
Reunião Núcleo de Panificadoras e Confeitarias
09:00
30 de Novembro
01
quinta
Reunião
08:30
01 de Dezembro
01
quinta
Reunião
Reunião Núcleo TI
19:00
01 de Dezembro
05
segunda
Reunião
Reunião Núcleo Gastronomia
09:00
05 de Dezembro
05
segunda
Reunião
Reunião Conselho Deliberativo
17:30
05 de Dezembro
06
terça
Reunião
Reunião Núcleo de Academias
14:00
06 de Dezembro
06
terça
Reunião
Reunião Núcleo Corretores de Seguros
17:00
06 de Dezembro
06
terça
Reunião
Reunião Núcleo Jovem
18:30
06 de Dezembro
07
quarta
Reunião
Reunião Núcleo Turismo
08:30
07 de Dezembro
08
quinta
Reunião
Reunião Núcleo Moveleiros
19:00
08 de Dezembro
12
segunda
Reunião
Reunião Núcleo de Corretores e Imobiliárias
08:15
12 de Dezembro
13
terça
Reunião
Reunião Núcleo Comercio Exterior
08:00
13 de Dezembro
14
quarta
Reunião
Reunião Núcleo de Construtoras
19:00
14 de Dezembro
15
quinta
Reunião
Reunião Núcleo TI
19:00
15 de Dezembro
16
sexta
Reunião
Reunião Núcleo Escolas de Idiomas
10:00
16 de Dezembro

Calendário

    Notícias

    Dezembro
    FACISC repudia votação do Projeto de Lei com medidas contra a corrupção
    07/12/2016

     

    A Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) emitiu nesta quarta-feira (30/11) um manifesto a todos os seus associados contra a votação do o projeto de lei com medidas contra a corrupção (PL 4850/16), que prevê a tipificação do crime eleitoral de caixa dois, a criminalização do eleitor pela venda do voto e a transformação de corrupção que envolve valores superiores a 10 mil salários mínimos em crime hediondo. A matéria, aprovada por 450 votos a 1, será enviada ao Senado.

    O documento endereçado aos representantes das 146 associações empresariais pretende chegar aos seus 34 mil associados e alcançar sócios e colaboradores das empresas.

    Confira o documento assinado pelo presidente da entidade, Ernesto João Reck.


    Leia +
    ACIBr encaminha ofícios de agradecimento
    02/12/2016

    A Associação Empresarial de Brusque (ACIBr), em reconhecimento aos 29 policiais que vão compor o efetivo do 18º Batalhão da PM em 2017 e do delegado e mais 11 agentes para a 17ª Delegacia de Polícia Civil, emitiu notas de agradecimentos endereçadas ao Secretário Adjunto de Segurança Pública de Santa Catarina, Del. Aldo Pinheiro D'Ávila, ao Secretário Assuntos Estratégicos Casa Civil , Cesar Souza, ao Comandante Geral PM, Paulo Henrique Hemm, ao Comandante da  7ª Região PM,  Claudete Lehmkuhl e ao Delegado Geral da Polícia Civil, Artur Nitz.

    No documento está enfatizada a atenção recebida durante a audiência com a comitiva formada por lideranças empresariais de Brusque, Guabiruba e Botuverá, oportunidade na qual foram reivindicados mais policiais para compor o efetivo do 18º Batalhão da PM e da 17ª Delegacia de Polícia Civil.  

    Graças ao apoio de todas as autoridades envolvidas, os pedidos dos empresários na área de Segurança Pública foram atendidos. O 18º Batalhão da PM foi contemplado com 29 policiais militares. Destes, 16 ficarão em Brusque, oito em Gaspar, dois em Guabiruba, dois em Ilhota e um em Botuverá. Eles assumem seus postos logo após a Operação Veraneio 2017. Já a 17ª Delegacia de Polícia Civil, que atende os municípios de Brusque, Guabiruba, Botuverá, São João Batista, Nova Trento e Major Gercino, receberá um delegado e 11 agentes.

    “O número de novos policiais designados para nossa região não é o suficiente, mas vem resolver momentaneamente a grande defasagem verificada no efetivo da Polícia Militar e da Polícia Civil. Vamos continuar buscando novas alternativas para suprir essa defasagem”, avalia o presidente da ACIBr, Halisson Habitzreuter. 


    Leia +
    NOTA DE REPÚDIO ACIBr
    02/12/2016

    Nota de repúdio contra os deputados catarinenses que votaram pela destruição da Lava Jato.

     

              Diante da aprovação na Câmara dos Deputados das medidas de combate à corrupção, que desfiguradas em seu teor original, atentam contra a independência do Ministério Público e do Poder Judiciário, a Associação Empresarial de Brusque (ACIBr), entidade que representa setores como o da indústria, comércio e prestação de serviço, vêm a público manifestar repúdio a qualquer tentativa de barrar procuradores, promotores e juízes em seu exercício da atividade de investigação, processamento e julgamento de crimes, especialmente daqueles praticados nas mais altas esferas de poder.

     

              Solidária ao Ministério Público e ao Poder Judiciário, defendemos a ideia de que o único modo de vencer a impunidade de agentes públicos criminosos, que precisam e devem ser responsabilizados por suas condutas, independentemente da instituição à qual pertençam, é o aperfeiçoamento das leis. Antes de desfigurar as “10 Medidas Contra a Corrupção”, os políticos de nosso país precisam concentrar esforços para uma reforma política ampla que feche as brechas que hoje fazem o crime de poderosos compensar.

     

              Acreditamos que os parlamentares e os cidadãos deveriam ter o discernimento para distinguir medidas legítimas daquelas que buscam calar promotores, procuradores e juízes. Entendemos que a independência do Poder Judiciário e do Ministério Público é um dos pilares do estado de Direito brasileiro e, por isso, deve ser respeitada. Hoje atravessamos um momento que o clamor é para medidas contra, e não a favor, da corrupção.

     

               Nosso repúdio aos deputados federais catarinenses que votaram contrários às medidas de combate à corrupção. São eles: Angela Albino (PCdoB), Jorginho Mello (PR), Marco Tebaldi (PSDB), Mauro Mariani (PMDB), Pedro Uczai (PT), Rogério Peninha Mendonça (PMDB), Ronaldo Benedet (PMDB) e Valdir Colatto (PMDB), mais a abstenção de Esperidião Amin (PP).

     

     

                                        Brusque(SC), 01 de dezembro de 2016.

     

                                     ACIBr – Associação Empresarial de Brusque


    Leia +
    ACIBr reúne coordenadores e vice-coordenadores de seus 22 Núcleos Setoriais para avaliação dos trabalhos realizados
    01/12/2016

    A Associação Empresarial de Brusque reuniu, na noite de terça-feira, 29 de novembro, no Hotel Monthez, os coordenadores e vice-coordenadores dos seus 22 Núcleos Setoriais, para uma avaliação dos trabalhos realizados ao longo do ano, além da apresentação dos serviços hoje disponibilizados pela entidade aos seus associados.

    O encontro contou com a presença do presidente da ACIBr, Halisson Habitzreuter, da diretora de Núcleos, Suzymeri Ogliari, do diretor de Relações Empresariais, Marlon Sassi, e do professor da Unifebe, George Aiub.

    O primeiro a fazer uso da palavra foi Aiub, que apresentou aos convidados o mais novo projeto da ACIBr: a Escola de Negócios. Aiub enalteceu a importância do projeto, que surge para atender uma demanda nos municípios atendidos pela Associação Empresarial no que diz respeito à educação complementar. “Estamos ofertando 30 cursos nesse primeiro momento. São cursos de curta duração, sendo que a empresa define o período em que o seu colaborador terá para fazer o curso”, comentou o professor, que ainda deu detalhes sobre o funcionamento dos cursos e seus módulos.

    “Temos aí este novo projeto da Escola de Negócios, para que os nossos Núcleos tirem proveito dessa ferramenta, que levem para suas empresas, pois são cursos disponíveis 24 horas por dia, com um valor muito acessível, e que podem ser colocados à disposição dos colaboradores”, reforçou o presidente.

    Em seguida Habitzreuter falou sobre os demais produtos disponibilizados pela entidade aos seus associados, como o Boa Vista SCPC, o Certificados de Origem, o XML Empresarial, entre outros.

    Habitzreuter também ressaltou o trabalho feito ao longo do ano pela ACIBr e seus Núcleos, sendo 19 cursos com 457 participantes; 56 palestras com público de aproximadamente quatro mil pessoas; 18 visitas técnicas com 414 participantes; e 37 eventos promovidos. “O objetivo desse encontro é unir todos vocês para que troquem ideias, troquem experiências entre os núcleos. Tivemos um grande resultado de todas as ações realizadas esse ano e já temos muitos planos para 2017. Sempre que um Núcleo promove um evento está levando a marca ACIBr. São eventos que engrandecem toda nossa região, fazem a economia girar, e está no nosso calendário para 2017 manter essas ações e ampliá-las, inclusive. São cases de sucesso que trazem resultados muito positivos. É por isso que toda diretoria da ACIBr sempre apoia os projetos, participa dos eventos, pois sabemos do sucesso que são”, ressaltou.

    Para a diretora de Núcleos, Suzymeri Ogliari, 2016 foi um ano de importantes resultados para toda equipe ACIBr e para os Núcleos. “Estamos terminando o ano com as grandes metas alcançadas. Tivemos um crescimento dentro dos Núcleos, eles trabalharam com mais propriedade para engrandecimento tanto do seu negócio, quanto do grupo. Fizemos um planejamento com as consultoras para que elas estivessem preparadas para auxiliá-los na condução dos trabalhos durante o ano, e isso foi muito positivo. Aliado a todo esse resultado, tivemos a criação de um novo Núcleo este ano, que foi o de Turismo, em que já começamos a dar os primeiros passos, a traçar um calendário com todas as datas festivas e a trazer mais participantes. O momento é de gratidão a todos os coordenadores e vices por se dedicarem o ano inteiro para a associação. Todos crescem como pessoa, como empresa, como Núcleo, como entidade. E é esse movimento que queremos: mais pessoas trabalhando em prol de todos. A expectativa para 2017 é maior, já temos o planejamento de quase todos os Núcleos pronto para o próximo ano. As ações que foram feitas esse ano e que deram certo já estão agendadas para 2017, que promete ser um ano de superação novamente”, frisou.

    O diretor de Relações Empresariais da ACIBr, Marlon Sassi, foi o último a se pronunciar e apresentou na ocasião o case ‘Associativismo e a importância dos Núcleos Setoriais’. Marlon falou sobre sua trajetória dentro do Núcleo de Panificadoras e Confeitarias da ACIBr, um dos mais antigos da entidade. Mencionou o início das reuniões, que começaram muito antes do Núcleo se formalizar propriamente junto à associação. Destacou a troca de conhecimento com a Câmara de Ofícios de Munique e da Baviera, na Alemanha. Falou ainda da árdua tarefa em manter o Núcleo atuante, mesmo com o passar do tempo e do quanto o associativismo é capaz de fazer pelo negócio de cada um, pela entidade, e pelo município. “Vimos o quanto os nossos negócios cresceram, o quanto nós crescemos compartilhando conhecimento, tudo isso trazido pela força que tem o Núcleo, o associativismo. Os aprendizados que dentro de uma associação empresarial a gente consegue ter, são muito grandes. Por isso é importante planejamento e comprometimento de todos os envolvidos com os Núcleos. A ACIBr é a força do pequeno com a influência do grande”, complementou.


    Leia +
    Novembro
    Manifestação de Solidariedade e Apoio Chapecoense
    30/11/2016

    MANIFESTAÇÃO DE SOLIDARIEDADE E APOIO

    A Associação Empresarial de Brusque se solidariza com a comunidade de Chapecó, bem como com os familiares dos atletas, dirigentes, profissionais de comunicação e demais integrantes do voo trágico da Delegação da Chapecoense na madrugada de terça-feira, na Colômbia. A ACIBr está de luto e registra seu apoio à cidade em conjunto com a coirmã, Associação Empresarial de Chapecó.

    A Diretoria


    Leia +

    Artigos

    Julho
    O Maior dos Agentes de Mudanças
    19/07/2016

    Por: Ernesto Berg
     
    Mudança é a palavra-chave que caracteriza nossa existência como seres humanos e, sobretudo agora, no século XXI. Quem muda e se adapta, sobrevive; quem não o faz estagna e perece. As crises ocorrem quando pessoas, estruturas e sociedades resistem às inovações ou quando surge uma nova situação com a qual conseguem conviver.
     
    O termo crise vem do grego “krisis”, que significa momento decisivo e crítico. Pode tornar-se problemático se encarado negativamente; ou um novo desafio a ser enfrentado e vencido, quando visto positivamente. O ideograma chinês que representa crise é formado de duas partes: uma, significa risco (Wei), a outra, oportunidade (Ji).
     
    A crise traz a oportunidade de construir e vivenciar algo novo, mas também modifica o status quo do antigo, refém da acomodação. Modificar o status quo significa sofrer toda espécie de resistências e mesmo atitudes agressivas.
     
    Líderes autênticos provocam reais mudanças
    Cristo foi o maior agente de mudanças que a humanidade conheceu. Tão grande influência exerceu que o calendário foi modificado em antes e depois de Cristo (AC – DC), representando um divisor de águas, e um símbolo que poderia significar antes e depois da sua mensagem.
     
    Ele quebrou a espinha dorsal da tradição doutrinária das religiões existentes, afetando sobretudo o Judaísmo. O Antigo Testamento faz dezenas de referências ao Messias, Jesus, séculos antes de seu nascimento. Messias vem do aramaico mashiach, que significa ungido pelo santo óleo, expressando o poder com que eram investidos os sacerdotes e reis de Israel, ao serem empossados. Messias em grego é Christos, cuja tradução em português é Cristo.
     
    Grandes líderes – sejam políticos, empreendedores, inventores, artistas – são agentes de mudanças. Eles utilizam a base da sociedade existente e sobre ela calcam novos modelos mentais e estruturais, novos padrões de conduta e tecnologias. Existem centenas de exemplos de pessoas em todas as áreas do conhecimento e da tecnologia que, mais tarde, transformaram suas ideias e ideais em amplos sucessos resultando em grandes mudanças.
     
    Elas tiveram duas coisas em comum: 1) Passaram por um período de aprendizado e incubação mental, ou espiritual, antes de emergirem para o mundo; 2) Tinham grande e profunda convicção no sucesso de suas missões ou empreendimentos.
     
    O grande empreendedor
    Foi assim com Jesus. Começou a pregação da boa nova (evangelho) a partir dos 30 anos, e nos próximos 3 anos e meio de sua existência, sedimentou a base da doutrina espiritual que veio trazer. Instituiu as bases do empreendimento em cerca de 42 meses, mas o resultado e a repercussão ecoaram universalmente, transformando pessoas, sociedades, países e continentes.
     
    O que faz de Cristo o maior empreendedor de todos? Resposta: enquanto outros líderes mostraram-se proeminentes no campo da esfera humana, Jesus trouxe um sopro de luz e vida sobre a área mais obscura e inexplorada do ser humano: seu espírito e alma, o verdadeiro eu. E não ficou nisso. Mostrou a porta de saída de nossas limitações e o caminho para a vida eterna, o que vale mais do que toda a soma do conhecimento humano, pois tornou o que era limitado em ilimitado, o finito em infinito, o passageiro em eterno, o inatingível em atingível.
     
    “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”, afirma. João 10.10b. Não a existência comum, mas a vida completa, com abundância, em todas as áreas de nossa vida: abundância de paz, sabedoria, alegria, amor, saúde. É a própria plenitude bíblica, já prometida a Abraão no Antigo Testamento, agora repactuado com vigor muito maior. À medida que você se entrega a Deus, Deus se entrega a você.
     
    Quebra de todos os padrões
    Líderes proeminentes quebram padrões e barreiras vigentes para dar forma aos ideais e ideias que vieram disseminar. Pelo princípio da não-resistência Gandhi quebrou a espinha dorsal do império britânico na Índia e libertou seu povo da dominação inglesa.
    Einstein formulou o princípio da energia X matéria. E= M X C2, onde energia (E), é igual a matéria (M), vezes a velocidade da luz ao quadrado (C2), inaugurando as bases da era atômica.
    Nós, que vivemos no século XXI, e estamos familiarizados com os novos conceitos que Cristo trouxe, não nos damos conta dos rígidos paradigmas que ele quebrou há dois mil anos. Foram dezenas de modelos que ele quebrou e repercutem até os dias de hoje. Cito apenas quatro, para exemplificar.
     
    Quebra de paradigma 1: Pai Nosso
    Antigamente as pessoas não ousavam chamar ao criador do universo de pai. As expressões eram: Deus, Ser Eterno, Todo-Poderoso, Senhor do Universo etc. Mas, designá-lo de pai, é algo bem diferente. Foi considerado anátema pela classe sacerdotal e digno de reprovação.  Não obstante, Cristo chamou o Criador de Pai, e com essa atitude puxou Deus para a esfera humana e, por sua vez, alavancou-nos até Ele, inaugurando um novo tipo de relacionamento: a do Pai achegando-se aos filhos carinhosamente.
     
    Quebra de paradigma 2: Deus se interessa pelo bem estar de cada pessoa
    Cristo trouxe valiosa informação para nós. Deus é um pai amoroso, terno e paciente. Ele não se atém, tão somente, às ações estratégicas e cósmicas. Ele participa do nosso dia a dia, de nossas rotinas e preocupações.
     
    “Não pergunteis, pois, o que haveis de comer ou o que haveis de beber e não andeis inquietos. Porque os gentios do mundo (as pessoas centradas apenas nas coisas materiais) buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que necessitais delas.” Lucas 12. 29 e 30.
                   
    A preocupação de Deus pelas coisas transitórias em nossas vidas indica seu maior cuidado por nós e toda a criação. Uma confiança simples e sincera em um Pai cuidadoso, liberta as pessoas da ansiedade aborrecedora das necessidades físicas da vida.
     
    Quebra de paradigma 3: O relacionamento com Deus é pessoal e intransferível
    É um dos pontos que mais causou polêmica entre os sacerdotes, escribas e fariseus. A tradição religiosa e cultural vigentes era a de que o contato com Deus poderia somente ser feito por profetas, sacerdotes ou reis, por serem figuras investidas de autoridade divina para isso.
    Jesus quebra o monopólio elitista das classes privilegiadas e torna o contato com o Pai disponível a todos, sem exceção. Ao sacrificar-se por nós na cruz Cristo tornou-nos reis e sacerdotes, pois ensejou ligação direta com Deus (Apocalipse 1.6).
     
    Quebra de paradigma 4: Valorizou sobremodo as pessoas
    Com Jesus o povo passou a ter vez e ser reconhecido como gente. As pessoas acercavam-se de Jesus e eram ouvidas, instruídas e renovadas com suas palavras. Cristo valorizou as mulheres que, na antiguidade, eram tradicionalmente subjugadas e subservientes aos homens, relegadas a uma posição de menor importância na sociedade, cujo objetivo principal era procriar. Há inúmeras passagens na Bíblia onde Cristo conversa carinhosamente com as mulheres, salvando inclusive uma adúltera de apedrejamento, contrariando a lei mosaica, que exigia essa punição às adúlteras. Jesus poderia ter se eximido e não intervir para agradar aos sacerdotes. Mas o líder, nas horas cruciais aparece e atua, não se esconde.
     
    Perguntas-chave da mudança
    Em se tratando de mudanças pessoais, existem algumas perguntas que todos nós  podemos - e devemos - fazer a nós mesmos: “Como estou em termos da minha zona de conforto? Como estou encarando a restauração da minha vida espiritual? Estou evitando-a e procurando o máximo de tranquilidade e conforto na vida que levo?” Convém lembrar que o lugar mais tranquilo da cidade é o cemitério. Lá tudo é tranquilo e nada muda; ninguém ali aspira a mais nada. Se quisermos crescer teremos de enfrentar a mensagem trazida por Cristo: “Eu vim para tenham vida e a tenham em abundância.” É um convite e também um desafio que Jesus lança a todos: receba vida e a receba com abundância, mas faça a sua parte. Saia da zona de conforto e assuma uma nova postura, com coragem e confiança, pois é na lida diária que crescemos e nos tornamos vencedores.
     
    Texto extraído e condensado do livro não publicado “O Maior Empreendedor do Mundo”, de Ernesto Artur Berg, que é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 15 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos.


    Leia +
    Dezembro
    Como prosperar em um 2016 de turbulências
    10/12/2015

    Por Ricardo Pereira

    Muito se tem falado em crise, estagnação, desemprego, quedas nas vendas entre vários outros sinônimos que por fim se remetem a “recessão” de mercado. Essa não é a primeira e nem última “recessão”, elas sempre estarão presentes, umas com mais intensidade outras com menos.

    Vale lembrar que o mercado em geral não está em recessão, nós não estamos crescendo! E também não estamos diminuindo! Ou seja, estamos no popular zero a zero. Mas então o que está ocorrendo que as vendas estão menores?

    Um dos motivos claros é o aumento dos concorrentes, se você não está vendendo, seu concorrente está. Juntando com um cenário político desfavorável, se tem a receita completa para alimentar uma recessão no mercado. Aliando ainda a concorrência global, hoje e se compra produtos da China em apenas 5 minutos, então, como estar preparado para tudo isso?

    Respondendo as questões a seguir!

    Você sabe realmente quanto custa o produto ou serviço que você presta? Você sabe o quanto tem que vender para chegar ao ponto de equilíbrio? Ou seja, a partir desse valor, todos os custos fixos e variáveis estão pagos. Você tem indicadores e monitora essas entradas e saídas semanalmente?

    Conhecer os dados acima é de suma importância para momentos igual ao que estamos vivendo, se percebe empresas dando desconto, fazendo vendas casadas com menores preços e por final acabam vendendo com prejuízo e. DICA: Se o preço é um grande influenciador nas vendas, você pode baixar o preço, porém o valor do mesmo não pode ficar abaixo do ponto de equilíbrio, pois no curto prazo se fará dinheiro, entretanto no médio e longo prazo o fluxo de caixa ficará zerado ao negativo.

    Conhecendo os custos se saberá quais as principais contas, e essas merecem atenção especial e maior controle.

    Outro ponto, você sabe realmente como seu produto ou serviço é e está sendo executado? Quanto tempo se havia definido para ser feito, e em quanto tempo realmente está demorando? Ou seja teoria e prática. Quanto de retrabalho ou problemas de qualidade tem ocorrido? Ou seja, como está a eficiência e eficácia.

    Se percebe enumeras empresas reclamando que as vendas estão baixas, e quando recebem um pedido não conseguem entregar no prazo. Empresas acabam produzindo prejuízo pois definem que determinado produto ou serviço será feito em 2 horas, mas por falta de treinamento, orientação, padrões, organização, acabam levando 4 horas. O custo evidentemente ficará acima do definido e consequentemente irá impactar no lucro. DICA: Elabore um monitoramento de controle de produção – eficiência e eficácia, definindo tempos para cada execução, assim se conseguira dimensionar a quantidade correta de funcionário e se o que foi definido no início do projeto está ocorrendo.

    Para finalizar, como está a prestação de serviço de sua empresa? O que está sendo feito de diferente para o cliente retornar a comprar? O cliente está satisfeito com seus produtos ou serviços? Os pedidos estão sendo entregues no prazo? Quanto de estoque de material se tem dentro da empresa?

    Qualquer produto nesse mundo pode e será copiado, entretanto a prestação de serviço nunca será igual, é dessa forma que agregamos valor ao nosso produto. Já perguntou ao seu cliente o que você pode fazer para melhorar performance perante ele? Entregar no prazo e monitorar estoques são primordiais para manter a empresa viva. Quanto antes entregar, antes irá gerar faturamento e entrada de dinheiro na empresa. Quanto menos estoque obtiver, menos dinheiro se terá investido, sendo assim haverá mais dinheiro no caixa para suprir eventuais problemas financeiros. DICA: Defina meta de quantidade de estoques. Elabore indicador de atendimento ao cliente e monitore. Vá aos principais clientes e pergunte a eles o que você pode fazer para melhorar ainda mais o seu atendimento, assim você vai fidelizar cada vez mais esses clientes.

    Finalizando aqui deixo duas perguntas chave para qualquer negócio: Qual o diferencial competitivo da empresa? O que a empresa tem de diferente dos seus concorrentes?

    Realizando essa autoanalise, a empresa conseguira “navegar” no mar de 2016 com mais controle e rumo, tendo bussolas para garantir o melhor caminho a se seguido.

    Obrigado!

    Ricardo Pereira CEO – L6S Consultoria e Treinamento

    ricardo@L6S.com.br

    47-91199444 / 99372792

    Visite nosso site: L6S.com.br


    Leia +
    Outubro
    Cristo e o Poder da Liderança
    20/10/2015

    Por Ernesto Berg
     
    Chefiar é fazer os outros fazerem, diz um dos preceitos organizacionais mais consagrados. Liderar, no entanto, vai além disso, porque, como diz outro preceito, é saber como motivar as pessoas fazerem. Liderança, portanto tem duas faces: uma é saber motivar (a si mesmo e aos outros) e a outra é atingir resultados, dar o exemplo de conduta e saber conviver com os seus liderados. É o conceito do líder servidor.
     
    Conheço muitos chefes (diretores, gerentes, supervisores) que possuem autoridade formal para mandar, mas não a capacidade de liderar. A autoridade é inerente à função de chefia, mas a liderança é inerente aos que tem competência interpessoal, e isso é mais do que muitos gestores sabem fazer. Perguntei certa vez a um gerente de indústria como andava seu relacionamento com os subordinados.
    “Ah, muito bem”, respondeu ele. “ Eles não só me respeitam como também têm receio de mim,” concluiu. Que grande chefe, hein? Confundir liderança com autoritarismo.
     
    O grande líder
    O maior dos líderes é aquele que transforma pessoas comuns em vencedoras, utilizando técnicas de desenvolvimento de equipe, e dando apoio integral aos membros que a compõem. Cristo foi o maior dos líderes. Reuniu 12 pessoas simples e despreparadas (os apóstolos), com pouco estudo e conhecimento, e os transformou em gigantes da palavra, da ousadia e da espiritualidade. É um caso único.
     
    Diz um ditado que “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos”. Aqui essa verdade é visível, porque Jesus olhou além das aparências. Ele enxergou nos discípulos  seus espíritos e os viu vitoriosos e cheios de força. É assim mesmo que Cristo e Deus enxergam a todos: como vitoriosos e bem-sucedidos. É essa uma das boas novas que Jesus veio anunciar ao mundo. “Em todas essas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou (Jesus)”. Romanos 8.37

    O marketing de Jesus
    Marketing, numa visão ampla, é definido como a distribuição, venda e propaganda de bens e serviços. O consultor americano John Jantsch dá um conceito mais específico de marketing que eu achei muito interessante: “Marketing é levar as pessoas que têm uma necessidade ou problema específico a conhecerem, gostarem e confiarem em você.” Essa definição se aplica a Cristo. As parábolas que ele contava, as curas que realizava, os ensinamentos que transmitia evidenciavam seu interesse em chamar atenção das pessoas para a nova realidade que ele pregava: a proximidade do Reino dos Céus, e a de que cada pessoa, sem exceção, tem o Senhor habitando em seu íntimo, e Jesus é o guia que abre caminho até Ele.Os milagres praticados por Cristo visavam exatamente isso, chamar atenção para mensagem que pregava. “Se não virdes sinais e milagres, não crereis.” João 4.48.  Com essa atitude Jesus despertava a atenção sobre si e criava um vínculo de fé e confiança em relação à sua pessoa. Ele não encarava as curas, sinais e maravilhas como sendo seu principal objetivo. Tinham muito mais a intenção de fazer com que os receptadores dos milagres e as pessoas que os testemunhavam passassem a ter fé em Cristo e sua mensagem, e despertassem para a verdade.
     

    Líderes mudam para crescer

    Você faz coisas hoje que não tinha capacidade ou não sabia fazer antes. Você hoje sabe andar, mas quando bebê era incapaz de fazê-lo. O chão não mudou, porém você sim. Você hoje sabe ler, entretanto quando criança, não conseguia. A língua portuguesa não mudou, você sim. Quando adolescente Bill Gates não conhecia a linguagem do software, hoje ele o domina. O mundo não mudou, Bill Gates, sim. Jesus nos primeiros 30 anos de vida não fez milagres, depois dos 30, sim. Os milagres não mudaram, mas Cristo sim, quando passou a fazê-los. E ao mudar sua forma de agir, ele contribuiu decisivamente para a instituição de uma nova ética e de uma nova moral, alicerçada na espiritualidade. O verdadeiro líder muda e aprende as coisas necessárias para divulgar sua mensagem e protagonizar sua missão de vida. Esse princípio vale para todas as pessoas.

     

    Há milhares de coisas que uma grande pessoa faz hoje e que não podia fazer anos atrás. Por que? Não foi o mundo que mudou. O que mudou foi a ideia que esta pessoa tinha de si mesma. As habilidades que você tem são uma forma de revelar as suas reais aptidões. Mas a sua real natureza é que você é um ser dotado de infinitas possibilidades. O problema não jaz no mundo. O problema é como você se reconhece nesse mundo. A forma  como você se percebe e interpreta a si mesmo é um sistema de valores. Mude seu sistema de valores, e suas escolhas, através da procura e descoberta de novas verdades, e você mudara o seu mundo. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. João 8.32.

    É isto que Jesus veio fazer aqui na terra: conscientizar-nos da nossa real identidade e dotar-nos de ferramentas mentais, psicológicas e espirituais para transformarmos nossa vida numa nova existência de paz, força e realização espiritual. O cinema, a TV, a internet, os tablets e smartphones, dão às pessoas o que elas querem, mas Jesus  dá às pessoas o que elas necessitam: renovação mental e espiritual. Mas quantos procuram por isso?

     

    O líder empreendedor
    O que caracteriza o empreendedor é a capacidade de agir, de fazer acontecer. Ele é impaciente por resultados. É lutador, monta empresas, faz delas um sucesso, porém nem sempre tem a capacidade de administrar o sucesso. É quando entram em cena os executivos, os administradores, gerentes e demais gestores, os quais sistematizam, coordenam e passam a organizar o empreendimento. Se não for assim, o sucesso do empreendedor poderá ser passageiro por falta de sustentação. Empreendedores e administradores dependem uns dos outros para sobreviverem no mercado. Conheci vários casos como esses, na condição de consultor empresarial, onde prestei assessoria a algumas organizações que estavam naufragando porque os fundadores, que eram os empreendedores, não sabiam como administrar suas empresas,  não obstante a enorme capacidade de realização que tinham.


    Cristo foi o maior de todos os empreendedores. Lançou as bases da multinacional de salvação das almas e restituiu ao ser humano a dignidade perdida. Ele agiu rápido. Era um homem de ação, de resultados práticos. Fez acontecer tudo isso em três anos e meio, e depois partiu, pois sua missão fora cumprida. Ao partir deixou a missão de sedimentar o evangelho aos apóstolos e discípulos mais próximos. A eles coube  – principalmente a Pedro e Paulo - a responsabilidade de divulgar a mensagem, formar  o corpo da Igreja e administrá-la. Ao contrário, no entanto, dos empreendedores típicos, Jesus foi paciente com os erros dos  discípulos (perdoou a Pedro três vezes por tê-lo negado diante de seus algozes), além de ensinar e divulgar a Palavra a E mais ainda, delegou-nos o imenso poder contido em seu nome. Que outro líder tem a visão, capacidade e coragem de delegar tanto assim?
     
    Texto extraído e condensado do livro “O Maior Empreendedor do Mundo”, de Ernesto Artur Berg. (não publicado).

    Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos. 
    Editor do site www.quebrandobarreiras.com.br
    Email: berg@quebrandobarreiras.com.br


    Leia +
    Setembro
    Perfeccionismo: este mal ainda pode acabar com voce
    21/09/2015

    Por Ernesto Berg
    Perfecccionista: “Aquele que se incomoda em complicar o descomplicado, e em dificultar o que é simples”.
     
    Diz um ditado que o perfeito é inimigo do ótimo. É uma frase sem sentido para o perfeccionista, que procura sempre a perfeição em tudo. Eternamente exigente consigo mesmo e com os outros, não consegue perceber que a perfeição é desejável, mas raramente necessária. É mestre em envolver-se com detalhes, muitos dos quais, de pouca importância; é capaz de ver um grão de pó numa xícara, e não notar um elefante caminhando ao seu lado, por estar excessivamente concentrado em limpar o minúsculo pó do utensílio.
     
    Claro que um certo grau de perfeccionismo não só é desejável como necessário, para não cair no extremo oposto do relaxamento negligente. Entretanto, é preciso bom senso e autodisciplina para não ultrapassar os limites da coerência. O perfeccionista é reconhecido por seu comportamento de busca compulsiva pela perfeição a todo instante e a qualquer custo, mesmo que isto signifique trazer problemas e dificuldades  aos que estão a sua volta.
     
    Se você:
     
    - Acha que o seu modo de trabalhar é sempre o melhor jeito de fazer as coisas.
    - Controla cada detalhe do seu departamento ou setor.
    - Examina detalhadamente cada item antes de liberar o trabalho.
    - Tem coisas que só você, e ninguém mais, sabe fazer em seu setor.
    - É sempre muito exigente com os outros e com você mesmo.
    - Faz questão de que tudo saia sempre na máxima perfeição.
    - Revê sistematicamente o trabalho de seus subordinados ou colegas para ter certeza de que nada saia errado.
    - Implica com coisas mínimas porque saíram de modo diferente do que você queria.
    - Dedica muito tempo a corrigir falhas de pouca importância.
     
    Se você respondeu SIM a duas ou mais das situações acima, então você é um perfeccionista convicto, receita garantida de improdutividade, demoras, atrasos, retrabalho constante e muita (muita mesmo) irritação - sua e de quem convive com você -, seja no trabalho ou em casa.
     
    Além do mais, se você é exigente e complicado nas pequenas coisas provavelmente também tem um comportamento complicado em todas as outras. Se for assim, é candidato a ganhar a medalha de latão, pois além de perfeccionista é, provavelmente, pouco produtivo.
     
    Dicas para livrar-se ou, pelo menos, diminuir o perfeccionismo
     
    - Em vez da perfeição, contente-se com o ótimo, e às vezes, até mesmo o bom já é suficiente.
     
    - Não perca tempo corrigindo falhas sem importância, ou que sejam insignificantes no contexto geral.
     
    - Policie-se para não ficar “pegando no pé” dos outros por coisas sem importância.
     
    - Reconheça que nem todos tem o seu padrão de exigência e perfeccionismo, e não os cobre por isso.
     
    - Aceite trabalhos e tarefas dos outros que estejam no nível bom, dentro dos
    padrões requeridos pela empresa, mesmo que não estejam dentro do seu alto padrão de exigência.                                                                                                                                                   
    - Permita com que as pessoas executem tarefas e atividades do seu próprio jeito (não precisa ser sempre da sua maneira), desde que atinjam os mesmos resultados em termos de quantidade, qualidade, prazos etc.
     
    - Procure ser mais flexível e tolerante com eventuais erros seus e dos outros no trabalho e, em vez de irritar-se, corrija rapidamente a falha  sem fazer disso um drama.
     
    - Aceite as diferenças de estilo e de ritmo de trabalho seus, e os das demais pessoas com quem você convive ou trabalha. 
     
    - Procure ter senso de proporção, e trabalhe com rapidez sempre em cima das prioridades estabelecidas.
     
    - Policie-se para não se deixar levar por detalhes e pormenores irrelevantes que tomam tempo e pouco pesam no contexto geral.                                                         
     
    Lembre-se, a busca da perfeição custa tempo, dinheiro e esforço (com muito retrabalho) que não compensam, pois o custo-benefício quase nunca justifica tanto empenho.  Aprenda a contentar-se com o bom, na maioria dos casos.                                                                                                                             

    Aquilo em que você focaliza sua atenção tenderá a expandir-se. Focalize nas picuinhas e pormenores e terá mais disso. Focalize sua atenção nas soluções e procedimentos eficazes e terá mais disso, isto é, seu trabalho se expandirá cada vez mais, e de forma produtiva.
     
    Texto extraído e condensado do livro “Quem Roubou o meu Tempo? de Ernesto Artur Berg, Juruá Editora.


    Leia +
    Agosto
    O Poder do Elogio
    25/08/2015

    Por Ernesto Berg
     
    Um elogio, um prêmio ou um reconhecimento, feitos do modo certo, podem funcionar como fatores de grande motivação. Certa ocasião prestei consultoria para uma grande companhia siderúrgica, de capital majoritariamente alemão, em Minas Gerais. Era um trabalho na área de produtividade e desenvolvimento de sistemas gerenciais. Entrevistei dezenas de pessoas, do topo da pirâmide hierárquica até a base operacional. A entrevista que muito me impressionou foi a que eu tive com um dos carvoeiros, cuja função é levar carvão para alimentar os altos-fornos da siderúrgica. É um trabalho braçal desgastante; o uniforme desse pessoal, que é cinza, fica literalmente preto ao final da jornada de trabalho.
     
    Perguntei ao carvoeiro: “No seu trabalho o que você destaca de maior valor para você, aqui na siderúrgica?” pensando que ele fosse enfatizar a estabilidade no emprego, ou algum aspecto de assistência e benefícios que a empresa amplamente propiciava.
     
    Para minha surpresa ele respondeu: “O maior momento que eu vivi até hoje aqui na siderúrgica foi quando eu, e mais quatro companheiros, fomos elogiados publicamente pelo presidente da empresa, perante trezentos colegas.”
     
    “Como foi que aconteceu?” perguntei.
     
    “Estávamos na véspera de um feriado prolongado”, contou ele. “Tínhamos terminado o nosso turno, e já estávamos sendo substituídos pelo pessoal do próximo turno, quando o superintendente, aflito, veio até nós e perguntou se poderiamos continuar a trabalhar por mais um período de 8 horas. Havia chegado um pedido urgente de grandes proporções e não havia como localizar os outros colegas devido ao feriado e a siderúrgica estava sujeita a perder a encomenda. Mesmo cansados eu e os 4 companheiros concordamos em ajudar e ficamos carregando carvão madrugada a dentro, até todos os lingotes ficarem prontos.”
     
    “Como é que vocês aguentaram isso?” perguntei.
     
    “Nem eu sei”, respondeu ele. “Estávamos exaustos e fomos para casa dormir, dispensados do nosso próximo turno. Quando voltamos a trabalhar, o presidente da siderúrgica (que era estrangeiro e havia acabado de voltar de uma viagem à Alemanha) chamou a nós cinco num salão e, perante centenas de colegas, elogiou o nosso esforço e agradeceu enfaticamente a colaboração.”
     
    “Como você se sentiu?”, perguntei.
     
    “Fiquei mudo”, respondeu o carvoeiro. “Nunca imaginei isso. Foi a primeira vez em minha vida que isso aconteceu comigo e nunca esquecerei disso”, arrematou.
                                                                                                                                                     
    Eis um fato tocante e talvez, para muitos, inusitado, imaginando que uma pessoa com uma função simples como a dele não se importasse com elogios e reconhecimento, e que estaria pensando exclusivamente no pagamento da hora-extra. Aliás, este não foi o único caso, pois, como consultor, testemunhei vários episódios semelhantes em outras empresas por onde passei, tendo humildes operários como exemplos de dedicação e comprometimento.
     
    É bom lembrar que o bem mais importante do líder é a sua habilidade de saber motivar pessoas, porque liderar e motivar é uma questão essencialmente humana, não técnica. Claro que o lado técnico é importante e não pode ser relegado ao segundo plano. Contudo o que define a figura do líder é a sua capacidade de motivar e aglutinar pessoas e equipes em torno de um propósito significativo e fazer com que os objetivos sejam atingidos. Por isso mesmo, nem todo chefe é líder, porque chefe é simplesmente uma pessoa dotada de autoridade formal, mas não necessariamente tem competência interpessoal para comandar pessoas. Logo, o que gestores comuns fazem tem um nome: chama-se chefiar. Mas, o como gestores competentes inspiram e motivam os outros a fazerem, tem outro nome: chama-se liderar. Foi o que o presidente da siderúrgica fez com muita habilidade.
     
    Texto extraído e condensado do livro “O Poder da Liderança”, de Ernesto Berg, Juruá Editora. Para maiores detalhes ou adquirir o livro acesse aqui.  
     
    Ernesto Berg
    Consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos.  Graduado em Administração e Sociologia, Pós-graduado em Administração pela FVG de Brasília. Foi executivo do Serpro em Brasília por 9 anos e consultor Senior da Alexander Proudfoot Company de São Paulo.


    Leia +
    Revista ACIBr
    Balanço Social
    Balanço Social
    Cadastro Empresarial Santa Catarina
    Cadastro Empresarial SC 2016
    Facisc
    Aplicação da Marca FACISC
    BO Online
    Boletim de Ocorrência Online
    Vídeo Institucional